PUB

Angola está no mapa mundial das telecomunicações

Em recta final, a instalação da primeira ligação directa entre os continentes africano e americano a partir do sul do atlântico, através do SACS, a multinacional angolana de telecomunicações, Angola Cables, anunciou o arranque do primeiro data center com a especificação Tier 3 em Fortaleza, Estado do Ceará, no Brasil.

A infra-estrutura, já em construção, vai ocupar uma área de cerca de nove mil metros quadrados e está previsto estar concluída até o final do ano, conforme fez saber fonte junto da empresa.  Juntamente com os sistemas de cabos submarinos SACS e Monet, e todos os equipamentos envolventes, estão orçados em 300 milhões de dólares.

Na verdade, o data center de Fortaleza, além de ser uma peça importante no ecossistema de telecomunicações, que está a ser erguido com vista uma melhoria significativa na qualidade e quantidade dos produtos e serviços de telecomunicações em Angola, e fazer do país, um dos centros das comunicações, por ser proprietário de algumas das principais rotas internacionais de conectividade, ele irá potenciar em larga escala a economia digital na região onde está a ser instalado.

Por ser o primeiro data center com a especificação Tier 3, das mais modernas e robustas centrais de dados, e por ser neutro, servirá como um ponto agregador, estando ligados à ele os grandes produtores de conteúdos, produtos e serviços digitais localizados na região.  E, deste modo, os conteúdos estarão mais disponíveis para os angolanos, na medida que haverá uma redução substancial do tempo de espera para descarregar os dados.

Entre outros motivos, importa ter em conta que esses desenvolvimentos no sector das telecomunicações, combinados com outros, como é o caso do Angosat, estão a fazer de Angola um agente relevante do sector a nível mundial, prova disso são os convites reiterados para participação dos grandes eventos, realizados todos os anos, nos principais centros.

O Brasil, sublinha-se, é um dos maiores centros de produção de conteúdos em Língua Portuguesa. Com a construção dessa infra-estrutura, comunidades académicas poderão tirar um grande proveito dos conteúdos, que podem ser partilhados nos dois sentidos, uma vez que, tanto os conteúdos na América Latina, quanto os disponíveis em Angola, tornam-se mais acessíveis para os diferentes mercados.

Na economia, estas infra-estruturas, construídas pela Angola Cables, estão a ter um grande impacto, na medida que estão a criar condições para o surgimento de uma economia digital, onde os principais exemplos são as plataformas de comércio online, como o Tupuca.

 

Tagged under